Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

MISSÃO DA CÁRITAS BRASILEIRA JUNTO ÀS POPULAÇÕES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE E EXCLUSÃO SOCIAL

22 de novembro de 2019
5dd6dc94cfbf2_img_20191120_163425911

Na 24ª Assembleia da Cáritas Brasileira, bispos e pastora abordam o contexto atual e apontam caminhos para a prática da missão cristã

O painel da tarde desta quarta-feira (20), durante a 24ª Assembleia Nacional da Cáritas Brasileira, foi dedicado à reflexão das “Diretrizes da ação evangelizadora da Igreja no Brasil e os desafios da atual conjuntura”.  Nele, foram trazidas reflexões sobre o documento 109 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a relação com a missão da Cáritas Brasileira junto às populações em situação de vulnerabilidade e exclusão social.

O bispo da Diocese de Itapeva (SP), Dom Arnaldo Carvalheiro, trouxe, ao falar das diretrizes da Igreja do Brasil para a evangelização, o grande desafio de cumprir a missão da Igreja de ir ao encontro das pessoas em um Brasil cada vez mais urbano, lugar onde estão aqueles que sofrem com a pobreza, com as desigualdades sociais e que a Cáritas já está inserida e que é cada vez mais chamada a dar respostas, como parte do corpo eclesial.

Dom Arnaldo ainda indicou que, nesse contexto, a presença de Deus não precisa ser criada, mas descoberta, desvendada no processo de profunda conversão de uma pastoral de conservação por uma pastoral arrojada de saída, de encontro, como indica o Papa. “Não temos um discernimento muito claro em torno de estratégias, e quando vivemos esses momentos de crises, é muito importante que observemos os homens e mulheres da Bíblia. Assim como, no deserto do Antigo Testamento, onde um poço sempre é procurado pelo povo que caminha, a Igreja precisa ser esse oásis de misericórdia para quem sofre no deserto do meio urbano. A Igreja tem uma água a oferecer, pode ajudar nosso povo a matar a sede”, destacou.

Na perspectiva de analisar a conjuntura atual, o bispo da diocese de Floriano (PI), Dom Edivalter Andrade, recorreu ao texto “Papa Francisco na mira da direita”, escrito pelo professor doutor José Décio Passos. Segundo o prelado, pelas atuações na Igreja e no âmbito acadêmico, o autor tem sido uma referência nessa observação das realidades eclesial e da sociedade. “Em todo encontro que nós vamos nesses últimos tempos, saímos um pouco frustrados com a análise de conjuntura, porque quem é chamado, não arrisca falar certas coisas, muito menos eu”, salientou.

O texto, trazido à plenária, foi publicado em junho deste ano, mas mostra de forma atual a situação do Papa Francisco que, ao se posicionar e fazer gestos, é visto como ameaça política para conservadores, milionários, tradicionalistas, ritualistas, fundamentalistas, etc. Nesse sentido, diante da contestação de alguns setores da Igreja às reformas da Cúria Romana, da manipulação e desconstrução dos discursos pela imprensa e por grupos de interesses contrários às manifestações do Papa, uma das provocações deixadas por Dom Edivalter foi a posição assumida por cada um e cada uma da plenária em apoio e defesa a Francisco e às iniciativas promovidas por ele.

Ressaltando a importância da diversidade, da equidade de gênero e do diálogo ecumênico inter-religioso, a secretária Geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), Pastora Romi Benke, disse, durante sua participação, que Deus se manifesta de diferentes formas e onde o povo estiver organizado. Para ela, na lei do capitalismo, há vidas que podem ser suprimidas em detrimento de outras pelo fato de serem diferentes. Isso não é compatível com o cristianismo, mas tem constituído tradições de fé espetacularizadas que disseminam a ideia de que ser cristão significa eliminar o que não é.

“Nossa tradição de fé está no amor. Eu tenho certeza que se Jesus voltasse hoje estaria lá com os povos bolivianos e seria vitima de uma bala. Essa religião do espetáculo, que cega, que é pão e circo e se materializa no desmonte da educação, da cultura, que criminaliza a solidariedade e enaltece a violência não nos representa. Ver religiosos fazendo símbolos de arma é sinal de que não estão entendendo o papel da igreja no amor. Esses são os falsos profetas e profetisas”, finalizou a pastora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Seja um Doador

Seja um Doador

Cáritas: Rumo aos 60 anos

Faça parte dessa rede

Faça parte dessa rede

Faça parte desta Rede

Faça parte desta Rede

Redes Sociais

Prestação de Contas

Prestação de Contas

Contato

Cáritas Piauí
Rua Agnelo Pereira da Silva, 3136
São João, Cep. 64.045-440


Teresina - Piauí
86-3233-6302 / 86-98802-5479(oi)

caritaspi@caritas.org.br